Os avanços nas pesquisas científicas e da legislação relativa ao acesso à cannabis medicinal têm o potencial de atender a milhões de brasileiras e brasileiros que sofrem com as principais doenças que a Cannabis pode tratar no Brasil.

Neste post, trouxemos alguns números que comprovam esse cenário. 

Fibromialgia 

N° de pacientes no Brasil: 5 milhões  

A Cannabis pode ajudar a reduzir a dor crônica e melhorar a qualidade do sono das pessoas que sofrem de fibromialgia

Seus componentes interagem com os receptores de dor, diminuindo a sensibilidade a estímulos dolorosos e regulando o ciclo sono-vigília.

Epilepsia

N° de pacientes no Brasil: 3 milhões 

A Cannabis tem mostrado eficácia no controle das convulsões em pacientes com epilepsia, especialmente nos casos em que outras terapias não são efetivas.

Seus compostos ajudam a regular a atividade elétrica do cérebro, reduzindo a frequência e a intensidade das crises epilépticas.

Esclerose múltipla 

N° de pacientes no Brasil: 35 mil 

A Cannabis pode auxiliar no alívio da dor, espasticidade e outros sintomas da esclerose múltipla.

Sua interação com o sistema nervoso ajuda a reduzir a inflamação e a dor, além de melhorar a mobilidade em determinados casos.

Ansiedade 

N° de pacientes no Brasil: 18,6 milhões 

Para os mais de 18 milhões de brasileiros que sofrem com ansiedade, a Cannabis, principalmente o CBD, pode promover uma sensação de relaxamento.

Seus compostos interagem com o sistema nervoso, regulando a atividade dos neurotransmissores relacionados à ansiedade e ao estresse.

Dor crônica 

N° de pacientes no Brasil: 70 milhões 

Segundo a Sociedade Brasileira para Estudo da Dor, cerca de 70 milhões de brasileiros enfrentam dores crônicas, afetando sua qualidade de vida.

A Cannabis pode ser uma alternativa para reduzir a dor, pois seus componentes interagem com os receptores de dor e podem melhorar o humor e o sono.

Essas e outras doenças podem ser tratadas com a Cannabis Medicinal no Brasil e no mundo. A eficácia do tratamento varia para cada pessoa, sendo necessário buscar orientação médica especializada. Conhece nossa equipe de especialistas!

Deixe uma resposta

+ 40 = 45